logo
TOPO


Pesca de mar em parcéis

Pesca de mar em parcéis

Pesca de mar em parcéis

Garoupas, badejos, pargos, dourados, e muitas outras espécies, navegando pouco! por: Rodrigo Morelli

Os peixes antes capturados a longas distâncias da costa, agora podem ser encontrados a mais ou menos 30 minutos de navegação da barra de São Vicente, SP. Pargos, badejos, garoupas, ciobas, dourados, olhetes, pitangolas, entre outras espécies, pescados em parcéis bem próximos de nossa costa. Tudo isso a bordo de uma excelente e confortável lancha, desenvolvida para esse e outros tipos de modalidades.

A operação

A equipe Saltwater Team foi criada a partir da paixão pela pesca em água salgada, que envolve todos os integrantes da equipe. Com vasta experiência em grande parte das modalidades de pesca em água salgada, seus idealizadores sentiram a necessidade de agrupar seus conhecimentos em forma de equipe, para assim dar aos seus clientes um atendimento mais completo, específico e dinâmico.
Dentro desta operação de pesca, que conta com 4 embarcações, existe a pesca de mar, realizada em diversas regiões. Nesta matéria iremos focar na pesca em parcéis em mar aberto, bem como as estruturas encontradas ao longo do curto percurso que é de aproximadamente 30min. da barra de São Vicente, em condições de mar favoráveis. Os navios ancorados, além de troncos e estruturas á deriva (arrilheiros), se mostraram excelentes pesqueiros também. Com a chegado dos meses mais frios é provável a captura de sororocas nesses ambientes.

Ponto de partida

As saídas ocorrem a partir da Náutica Saltwater, localizada na Ilha Caraguatá – Cubatão SP, que fica a 45min de São Paulo.
O local conta com total infraestrutura para a prática e atendimento da pesca esportiva e lá trabalham profissionais treinados, capacitados, com vasta experiência no ramos da pesca esportiva e garagem náutica. Inclusive, a náutica já está recebendo barcos particulares, pois não é um empreendimento de uso exclusivo da equipe.

Um grande diferencial por possuirmos espaço próprio é a mobilidade de horário. A pesca de mar costuma render melhores resultados pela manhã, bem cedo. É comum nossa equipe sair para o mar bem antes de outras náuticas abrirem, “ganhando frente” tanto na pesca de costeira, robalos e, principalmente no mar, pois neste horário geralmente não há vento, nem agitação do mar para atrapalhar a navegação.

A embarcação

Totalmente pensada, projetada e desenvolvida para a prática da pesca esportiva, a lancha Lívia esbanja espaço interno, estabilidade e conforto, àqueles que nela pescam. Trata-se de uma lancha de alumínio com 29' de comprimento, fabricada pela tradicional empresa Maresias, que não á toa, é líder do mercado na construção de barcos customizados.
Impulsionada por um potente motor Yamaha de 200hp, possuí um segundo motor que além de reserva, serve para “rodar” sobre os parcéis fazendo “a função de um motor elétrico” de um barco maior. O projeto idealizado por Márcio (Maresias) e Willian Miyata (Saltwater Team) oferece acessórios e diferenciais não encontrados em nenhuma outra embarcação da categoria, como por exemplo, plataforma de pesca com cadeiras para jig com altura regulável, entre outros.
A pescaria

O competente guia João Paulo, é quem comanda a lancha e nos leva até os melhores pontos de pesca. Com muitos anos de experiência no mar, João hoje tem o privilégio de trabalhar em uma região com muitos pontos de pesca, sendo a maioria exclusivos da equipe Saltwater Team, com muitos peixes e pouca pressão de pesca, pelos motivos citados.

Como há uma diversidade muito grande de espécies, é interessante o pescador ter á mão pelo menos três conjuntos.

1- Light Jigging – Vara 6'3” / PE1.5, PE2 / molinete ou carretilha
2- Jigging e pesca pesada – Vara 6'0” / PE3, PE4, PE5 / molinete ou carretilha
3- Pincho – Vara 7'0” / 30lb / molinete ou carretilha

Um pra pesca vertical leve (pargos, ciobas, anchovas, olhetes, etc); Outro para pesca de garoupas e badejos com jigs maiores e shadões; E um terceiro para pesca de pincho (arremesso) em busca de dourados, pitangolas, anchovas, prejerebas, e etc.

No caminho, ainda próximo da barra, João Paulo avista um cardume de peixes ao redor de um tronco, e diz: Olhe lá a fritadeira! Meu bom Jesus, arremessem lá! Antes mesmo dele terminar a frase, com o barco ainda em movimento, Willian arremessa um pequeno Jig da NS modelo pac de 36g cromado, e engata um bonito dourado que enrosca no mesmo tronco e escapa. Em seguida, repito a ação de Miyata e engato uma pequena pitangola e perco uma outra de bom porte, que saltou e soltou do jig. Outro arremesso de Willian e desta vez, um belo dourado capturado, demonstrando o enorme potencial que oferece um pequeno tronco boiando no mar. Além dos peixes citados, vimos centenas de porquinhos, carapaus, olhetinhos, mas nossa missão ainda nos aguardava em mar aberto, nos parcéis.

Pargos e mais pargos

No primeiro parcel que paramos, a sonda acusava um cardume enorme dos 40 aos 22 metros. Ou seja, tinha mais de 20 metros de peixe abaixo da gente e, provavelmente seriam pargos e ciobas. Exatamente! Era só descer o jig ou chicote pargueira, que o mesmo nem chegava ao fundo e já tinha peixe na linha. O jumping jig selecionava os peixes, fazendo os maiores atacarem. Já nas pargueiras, com iscas de camarão e lula fresca, 4,5, até 6 peixes eram capturados por vez. Por sugestão de João Paulo, fomos tentar algum peixe maior, pois na mesma semana foram capturadas diversas garoupas e badejos de bom porte na região.

A hora e vez das garoupas e badejos

Desta vez quem saiu na frente foi o capitão que desceu uma grande isca de borracha tipo shadão acoplada a uma cabeça de jig de 150g e “tomou” a trancada. Ele sabia: - É garoupa! Após alguns minutos de briga, sobe o belo exemplar, muito festejado por todos a bordo. João Paulo disse pra mim assim: - Jogue que tem mais! Assim o fiz e engatei uma menorzinha, mas que rendeu uma briga e tanto no material de light jigging, classe PE2 / 20lb.

Pouco distante dali, em um outro parcel, fomos em busca dos também esportivos e valentes badejos, só que desta vez com material mais reforçado, e com jigs um pouco maiores, na casa de 100g e 150g. Aí quem  mostrou toda sua habilidade e experiência foi Márcio Tutuhi, acostumado a comandar embarcações durante anos neste e em outros tipos de pescarias de mar. Com trabalho cadenciado que mesclava recolhimento com pequenas paradas, seduziu e engatou um bonito badejo, em um jig Gummi da NS de 100g, cromado. No detalhe, a “lulinha” artificial acoplada ao assist hook, que chamou a atenção do predador. Willian estava em um grande dia. Em todos os pontos fez belas capturas e também pousaria para fotos com mais um belo badejo, capturado também no jumping jig, no caso um tradicional Dunn da NS cromado.

Final do dia

Para finalizar o dia em grande estilo, um cardume de olhetinhos foi avistado por nossa tripulação. Eram muitos, mas estavam seletivos, somente acompanhando as iscas sem as atacarem. Resolvi então utilizar um jig menor de 24g, comum na pesca de robalos, com trabalho de meia água, bem lento. Tive várias ações, mas apenas um peixe embarcado, que comprova o potencial de pesca da região, também para peixes de passagem.

Em resumo: Pouca navegação, variedade de espécies e modalidades, lancha totalmente equipada e adequada, guia competente e conhecedor da região. O resultado só poderia ter sido esse! Uma grande pescaria em equipe!

Resumo dos materiais utilizados

Iscas naturais

Varas: 5'6" - 6'0" / 25lb - 30lb - 40lb / ação regular, regular fast;
Linha de multIfilamento: Triumph Dyneema 30lb - 40lb
Carretilha de perfil baixo e molinetes tamanho 4.000 e 5.000;
Líder de fluorcarbon: Shock Leader Linesystem - 40lb - 50lb;
Chicote do tipo pargueira: Montado com anzóis médios, como por exemplo circle hook 1/0 ou maruseigo n°20;
Chumbada: 100g - 150g
Iscas: Camarão fresco e lula

Iscas artificiais

Varas: 5'6" - 6'0" - 6'6" / PE1.5 - PE2 - PE3 - PE4 – PE5 / ação regular, regular fast;
Linha de multIfilamento: Triumph Dyneema 30lb - 40lb - 50lb - 60lb
Carretilha pra vertical jigging e molinetes tamanho 4.000 - 5.000 - 6.000;
Líder de fluorcarbon: Shock Leader Linesystem - 40lb - 50lb - 60lb - 70lb;
Jumping jig com pesos de: 50g - 75g - 100g – 150g (cores variadas). Modelos: Pac, Dunn, Gummi, todos da marca NS;
Assist hook: Shout Light Game tamanhos LL e Kudaco 1/0 - 2/0 -3/0 - 4/0;
Shads com 25cm, 30cm e 40cm, montados em cabeças de jig com 100g, 150g e 200g, para garoupas e badejos.

Rodrigo Morelli é jornalista, pescador esportivo há mais de 25 anos, guia de pesca de robalos e membro da equipe Saltwater Team.

 

Voltar


Fotos


Topo